Votação sobre a meta fiscal é adiada e barraco ganha a cena no Congresso.

14330236

Adiada nesta última quarta feira (26) no Congresso Nacional, a votação do Projeto que altera a meta fiscal para 2014. O texto, que é de interesse do governo, foi adiado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB- AL) por falta de quórum e transferido para a próxima terça (O2). A abertura da Sessão começou com os ânimos um pouco alterados e a gritaria e bate boca foram destaques no Plenário.

Para a análise do Projeto de Lei, que autoriza o governo a descumprir o superávit primário, seriam necessários, no mínimo, 257 deputados e 41 senadores, o que não acorreu. O superávit primário é o dinheiro que “sobra” nas contas do governo, depois de pagar as despesas sem incluir os juros da dívida pública.

O governo enviou o Projeto para votação no Congresso, com a justificativa de ajustar as metas fiscais diante do “fraco” resultado das contas públicas. Alegou também, o fato de 2014 ter sido um ano eleitoral e, com isso, mais gastos gerados.

Renan tentou segurar a votação por mais de uma hora, mas foi pressionado a seguir com as outras pautas. Há os que dizem que essa falta de quórum já era esperada, já que a matéria é considerada prioritária para o governo, porém, nada “bem vista” pela oposição.

O barraco

O adiamento da votação não foi o alvo dos “holofotes” na Sessão Plenária de ontem . Na abertura o senador, Renan Calheiros e o Líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho, protagonizaram um famoso “barraco”. Mendonça discursava na Tribuna quando seu microfone foi cortado por Calheiros e a palavra passada para outro parlamentar. O líder do DEM não deixou “barato” e continuou seu discurso com o microfone cortado e com os ânimos alterados. O deputado gritou em alto e bom tom que: “Renan Calheiros era a vergonha do Congresso”, o presidente o rebateu e disse que: “aquela postura não era permitida pela democracia” e finalizou com um “ Vossa Excelência, cale-se! ”.

O democrata se dirigiu até a mesa diretora e sem nenhum constrangimento, ou “diplomacia parlamentar”, colocou seu dedo em frente ao presidente dizendo que “ele não o mandava se calar”. O “alvoroço” ganhou uma proporção maior, quando vários deputados se manifestaram em favor de Mendonça Filho.

Mais calmo, o presidente desculpou-se pelo ocorrido e solicitou que dessem prosseguimento aos trabalhos.

Em entrevista aos jornalistas, Mendonça Filho disse que se aproximou de Calheiros para dizer que: “Ninguém o mandava calar a boca e que estava ali, pela vontade do povo de Pernambuco não por ele ”.

É como dizem… “barracos, também acontecem nas melhores famílias”.

Fonte Danielle Sobreira
Política Nacional\Blog da Cris

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s