Auxiliares operacionais da Saúde lutam por reclassificação profissional

AOSD2

Os auxiliares operacionais de serviços diversos (AOSDs) da Secretaria de Saúde lotaram o plenário e as galerias da Câmara Legislativa na manhã desta segunda-feira (30) para debater a principal reivindicação da categoria, considerada extinta pelo governo local: a revisão do plano de carreira e a reclassificação profissional. Os servidores foram unânimes em acusar “discriminação” e cobraram a abertura de negociação com o Executivo para resolver distorções acumuladas ao longo de anos, como a prática de desvio de função. A audiência pública foi realizada por iniciativa da presidente da CLDF, deputada Celina Leão (PDT).

Ao final do evento, Celina e o deputado Juarezão (PRTB) anunciaram que irão marcar uma reunião com o governador Rodrigo Rollemberg, para buscar o atendimento das demandas apresentadas. Os distritais também decidiram que a Câmara Legislativa irá realizar visitas técnicas aos hospitais a fim de checar as más condições de trabalho denunciadas pelos servidores de apoio às atividades de saúde – muitos dos quais reclamaram, por exemplo, da insalubridade no funcionamento das lavanderias e da utilização de pessoas não qualificadas.

“Vocês não podem continuar sendo tratados como invisíveis, mesmo exercendo tarefas tão importantes nas unidades de saúde. Acredito que a luta pela reclassificação será vitoriosa, e o governador precisa ser bem informado sobre o que está acontecendo na saúde do DF”, afirmou Celina. A deputada ainda reclamou da ausência do secretário de Saúde e de representantes da pasta na audiência pública: “Isso é um desrespeito aos servidores e ao Poder Legislativo”.

“O secretário de Saúde está demonstrando não estar preocupado com a difícil situação dos servidores. Mas nós vamos diretamente ao governador cobrar a valorização dos AOSDs, tão explorados e discriminados dentro dos hospitais”, criticou o deputado Juarezão. Ele alertou que as visitas dos distritais às unidades de saúde serão realizadas sem avisar aos diretores, “para que não possam maquiar o mau funcionamento das unidades e os casos de insalubridade enfrentado pelos profissionais”.

Discriminação – “Eu sempre sonhei estar aqui, pois a nossa luta contra a discriminação é de mais de 20 anos. E esta Casa é a mais importante do DF, onde a gente tem voz e pode resolver o nosso problema”, enfatizou, com a voz embargada e sob aplausos das galerias, a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues. “Os AOSDs não podem continuar sendo extremamente explorados. São 1.700 profissionais que fizeram concurso de nível básico e que exercem funções de nível médico”, advertiu.

O diretor jurídico do Sindicato dos Médicos, Antônio José Santos, foi outro que se emocionou ao defender a reclassificação dos AOSDs. “Enquanto o GDF extinguiu esses cargos e não fez a reposição de servidores, nas outras unidades da Federação os concursos públicos continuam sendo realizados com as mesmas atribuições”, enfatizou.

Entre os servidores que se revezaram na tribuna prevaleceu o clima de revolta. Uma das principais queixas diz respeito à proibição pela Secretaria de Saúde do pagamento de horas extras para os AOSDs, ao contrário do que ocorre com médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem. “Eles são o nosso braço direito no atendimento aos pacientes”, apontou Estela Krause, técnica de enfermagem que atua no Hospital de Ceilândia.

Fonte: Assessoria

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s