Cercas e muros que separam classes sociai

cercas e muros da orla

As quatrocentas cercas de invasão de área pública da Orla do Lago Paranoá em Brasília começaram a ir ao chão nesta semana. A tese é simples e judicial: contra fatos, não há argumentos. A ação transitou dez anos na justiça após a omissão do Estado ao deixar a área verde mais cara de Brasília ser tomada de “puxadinhos” das mansões, no lugar da construção de áreas de lazer.

A população do Distrito Federal sempre foi  cerceada quanto à visitação da área mais bonita de Brasília. O acesso ao Pontão do Lago, onde muitas noivas, casais, crianças foram fotografados, lugar de belíssima paisagem, já esteve fechado. A Península, outra referência de passeio e paisagem, cercada de grades e portões. Ao que tudo indica, a porta do paraíso estará aberta ao povo. Será?

A primeira ação do governo Rollemberg na Orla do Lago foi a criação do “Na Praia”, ponto de lazer usado para várias finalidades, mas que cobra entrada, mesmo sendo patrocinado pelo Banco de Brasília. Pelo visto teremos mais PPPs – parcerias público-privadas – que investem em áreas públicas sucateadas e cobram da população por isso, melhoram o caixa do governo e asseguram o poder do Estado no local.

As derrubadas na Orla irão durar dois anos, mesmo assim o Presidente da Associação do Lago e o governador, que acompanha de longe as operações da Agefis, acham as intervenções sofridas, mas necessárias para o andamento da preservação das áreas públicas ainda existentes no DF.

Diferentemente das derrubadas do Sol Nascente e Vicente Pires, a Orla do Lago não tem destruição de casas, e sim de áreas de lazer. Mesmo com muito cuidado, o Governo de Brasília recebeu do presidente da associação dos moradores do lago uma alfinetada básica, que comprova a separação da Capital do Brasil por classes sociais: “querem chamar atenção do pobre, agredindo o rico”. Frase chocante, para uma derrubada que já tinha que ter sido feita há anos.

Com declarações desastrosas, alguns moradores da classe rica e poderosa do Lago foram infelizes em suas colocações, como uma moradora que citou que teria o fundo da casa desprotegido, e que marginais e drogados usariam a área, que foi por ela furtada por um tempo. Tipo assim: a diferença social trás o preconceito contra o povo do DF. Pan! Que feio.

Nem Copacabana com toda sua beleza esplendorosa pensa assim. A cidade turística é cercada por comunidades, como o Pavão, Pavãozinho, Chapel Mangueira e Babilônia. Mesmo com diferença social, se misturam no lazer, conversam e trocam favores.  A elite, os artistas famosos e quem habita na grande área turística do Rio de Janeiro, ocupada por coberturas e hotéis fantásticos, de belas estruturas, não deixam de comprar sanduíche natural, biscoito globo e mate leão praianos, fonte de renda das famílias que habitam as comunidades. Alguns tem tanta amizade que criam seus filhos conhecendo as duas realidades. As favelas se tornaram comunidades, e recebem turistas para passeio e lazer, como exemplo a feijoada no Chapel Mangueira frequentada por moradores e turistas. A condição social do carioca não tira seu lado humano e simpático.

No facebook, o DF comemora e sonha com as ciclovias e o lazer prometidos no futuro Lago Paranoá. Como diz uma amiga famosa de um grupo político: ” O FRITO está pronto, ou a tão conhecida farofada misturada com o isopor”.

Cris Oliveira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s